quarta-feira, 27 de junho de 2007

Omissão, Permissividade e Violência

Paulo Werneck

Goya, Los caprichos, El sueño de la razón produce monstruous
Fonte: www.nlm.nih.gov


No ponto, uma mulher, trabalhadora, doméstica, esperava o ônibus. Do carro particular saltam cinco jovens, todos maiores de idade, universitários, classe média alta. Um deles estudante de Direito. Os jovens atacam a mulher, a cobrem de porrada - desculpem o vernáculo menos refinado, mas nada havia de elegante na situação -, sob o olhar de um sexto que permaneceu dentro do veículo, lhe roubam a bolsa e enfim se afastam.

Preso, um dos vagabundos justifica sua ação por ter pensado que a trabalhadora seria uma vagabunda, por prostituta, errando completamente na avaliação: as vendedoras de amor não fazem ponto em pontos de ônibus; a dita vida fácil é a maior dureza; a prostituição é uma atividade lícita; e, pelo menos o estudante de Direito deveria saber, o ordenamento jurídico proíbe o exercício das próprias razões.

Enquanto os meios de comunicação em geral estão em campanha pelo endurecimento das leis e a redução da maioridade penal, tendo como alvo preferencial as crianças miseráveis das favelas, sem infância nem futuro, os jovens da alta fazem das suas, queimando índios ou batendo em mulheres.

O pai de um deles ainda tentou justificar o filho, o que me lembrou que o professor Albus Dumbledore, ao criticar a negligência e crueldade com que Vernon e Petunia Dursdley trataram seu sobrinho órfão, Harry Potter, ressalvou que pior sorte teve o filho deles, tratado sempre com permissividade (J. K. Rowling, Harry Potter and the Half-Blood Prince, London: Bloomsbury, 2005, p. 57).

2 comentários:

Simone disse...

À senhora, ferida pela dupla vilania, a minha solidariedade.
Ao pai, a lembrança de que este nome marca a história do filho com o signo da autoridade, portanto, o da amorosa lei; ela poderia evitar o encontro com aquela a que marca os filhos com a mancha indelevelmente roxa: a dura lex.
Aos outros homens, os rapazes, as providências necessárias da cidadania: a responsabilidade por atos, que são inteiramente seus.
Aos "trouxas" da Barra da Tijuca, e de outros recantos, desvãos, do consumismo e apartheid cariocas,reflexão.
Ao P. Werneck, um grande abraço,
Simone

Ju disse...

Muito bom este post. Parabéns!!!